Header Ads

ad

Há canções inspiradas hoje como havia no passado?


Jesus Cristo é o mesmo, ontem, hoje e para sempre
(Hebreus 13:8

Tenho o costume de buscar na internet canções antigas, do tempo em que eu era criança ou adolescente, principalmente aquelas que remetem a alguma boa lembrança. Comecei cedo no Evangelho e também como músico. Então, muitas dessas obras buscadas tem algo a ver com essa minha dupla jornada. Mas, o interessante, é que vejo comentários nos sites visitados – principalmente de streaming – comentários do tipo “Poxa! Que louvor lindo! Da época em que havia canções inspiradas. Hoje é só heresia, estrelismo, etc”. 

Até algum tempo atrás eu até que concordaria com esse tipo de afirmação, considerando a tonelada de material “descartável” que é lançado todos os anos por artistas do segmento “gospel”. É fato que há mesmo muita heresia sendo propagada, muito antropocentrismo, doutrinas estranhas e alheias ao material bíblico. Mas é preciso considerar que há muita coisa boa também. Nós é que não buscamos ou não paramos para discernir o que de fato é proveitoso. 

Antes de tudo, é preciso entender o que de fato se trata essa dádiva do Espírito que muitos falam ter predominado no passado. No Novo Testamento, a palavra utilizada para “inspiração” é “theopneustic”, que significa “sopro de Deus”. Ela está presente em passagens como II Timóteo 3.16, onde diz “Toda Escritura é inspirada por Deus...” (pneumatos). Ou seja, as Sagradas Escrituras foram sopradas por Deus. O mesmo podemos falar sobre as canções, que foram sopradas por Deus aos seus compositores. Mas como isso funciona?

Não há uma explicação pronta. A inspiração pode vir de várias formas, nesse caso. O que podemos dizer é que, na maioria dos casos, o compositor buscou nas Escrituras um sentido para a sua obra musical, em passagens que falam sobre o amor de Deus, a obra redentora de Cristo, a grandeza e Soberania do Altíssimo e, em cada linha, considera que estes são bons motivos para levar alguém à adoração. Falamos sobre isso em nosso artigo “O louvor que Deus espera de nós”. 

O resultado dessa inspiração são canções lindas que até hoje são interpretadas e entoadas nos cultos de adoração a Deus em igrejas de todo o mundo. Sobrevivem ao tempo, mesmo em meio a enxurradas de músicas antropocêntricas e heréticas. E novamente vem a questão: ainda há canções inspiradas nos dias de hoje ou o Espírito Santo só agiu no passado? Ou ainda: Deus parou de inspirar seus adoradores quando o “mercado gospel” ganhou vida?

A resposta para isso é: sim e não. SIM, ainda podemos encontrar músicas inspiradas nos dias de hoje. E NÃO, o Senhor não parou de inspirar seus filhos porque Ele é Deus e ele não muda. E Cristo é o mesmo desde sempre (Hb 13.8). Ainda há muitos que não foram tocados pelo vírus do “mercantilismo da fé”, que ainda se esforçam para ressaltar e exaltar a grandeza de Deus e a Salvação conquistada por meio da Cruz de Cristo. 

O que é preciso fazer é garimpar. Até mesmo em grupos ou cantores onde se predomina doutrinas questionáveis, se pode encontrar boas canções de adoração consideradas inspiradas por Deus. Se a música for Cristocêntrica, direcionada a Deus e com letras que estão fixadas nas Escrituras, podemos considerar como algo “soprado” diretamente por Deus. Não podemos avaliar a conduta do autor, pois só Deus conhece o coração e o íntimo de cada um de nós. Mas com certeza, é possível identificar uma ótima poesia, vinda da parte de Deus para louvor e exaltação de Sua Glória.

É claro, ainda há muita coisa a considerar a respeito da inspiração de Deus e de Seu Espírito. Mas o tempo não permite. Em outras ocasiões, com certeza, vamos trazer novamente este tema e outros, como as canções consideradas antropocêntricas. Nem todas são descartáveis, ainda que não sejam direcionadas a Deus. A questão é o local e a condição em que são entoadas. Mas quanto a isso, até o próximo artigo! 

Nenhum comentário