Na China, alunos são ensinados a "odiar a Deus", diz agência cristã

De acordo com a agência Bitter Winter, os estudantes chineses são ensinados que o Cristianismo é um "culto maligno" (foto: Divulgação)

Pais cristãos na China compartilharam como seus filhos estão sendo ensinados que o Cristianismo é um "culto maligno", pelo governo comunista vigente. Além disso, os pequenos são encorajados a "odiar a Deus". A informação é da agência Bitter Winter, que atua em apoio a cristãos perseguidos no país. 

Segundo a agência, desde que a legislação sobre Assuntos Religiosos foi implementada no ano passado, as escolas da China adotaram “medidas sem precedentes” para manter os estudantes longe do cristianismo. As escolas são controladas pelo governo e, portanto, seguem a cartilha comunista. 

A política resultou em situações difíceis para as famílias, pois as crianças são encorajadas a questionar as crenças dos membros da família e denunciar as pessoas mais próximas a elas. Vários pais cristãos compartilharam suas histórias com a Bitter Winter, revelando a magnitude da animosidade da China em relação ao cristianismo. 

“Meu professor diz que o cristianismo é um culto maléfico”, explicou um menino à mãe. “[Que] se você acredita nisso, você vai sair de casa e não vai cuidar de mim. Você pode se colocar no fogo também. 

Outra mãe contou como, depois de descobrir um livro escolar anticristão na mochila de seu filho, ela escondeu muitos dos itens que a identificaram como uma crente para ajudar seu filho com sua ansiedade. Um mês depois, quando seu filho encontrou outro folheto religioso na bolsa de sua mãe por acaso, ele “furiosamente pegou uma faca e enfiou furiosamente contra frutas, fazendo vários buracos”, diz o relato. 

O garoto ameaçou sua mãe para que desistisse de sua fé, pois foi ensinado que "o cristianismo é um culto maligno" e ela "não deve acreditar nisso". “Antes de começar a escola, contei ao meu filho sobre a criação de Deus e ele acreditou. Mas depois de ser ensinado na escola, meu filho é como uma pessoa diferente. Na China ateísta, essas crianças puras e inocentes foram ensinadas a odiar a Deus”. 

Jardim de infância e escolas primárias também estão ensinando as crianças a se opor à religião. No final de abril, uma escola primária na cidade de Xinzheng, na província central de Henan, incentivou as crianças a se absterem de acreditar em qualquer divindade. "Se sua mãe vai à igreja e acredita em Deus, ela não a quer mais como filha", teria dito uma professora, segundo a agência. 

Outra escola exibiu um vídeo de propaganda em que os seguidores de Jesus eram retratados como grandes monstros assustadores. Depois que a apresentação foi concluída, um professor alertou que os parentes cristãos poderiam "lançar feitiços" sobre os jovens. 

Um dos pais da escola disse que, como resultado, seu filho se opunha ativamente à leitura de livros religiosos na casa da família. Outro estudante estava apavorado que sua mãe fosse levada pela polícia. Outros alunos foram aconselhados a “supervisionar” seus pais para garantir que eles não pratiquem sua fé. 

Na mira dos "camaradas" 

A Bitter Winter também afirma que a China introduziu regulamentos revisados ​​sobre religião em fevereiro, que incluíam proibir menores de 18 anos de frequentar a igreja ou receber qualquer educação religiosa. A legislação também força as escolas primárias de Henan a alertar os pais de que eles não estão autorizados a violar as leis do país sobre a prática da religião. 

"Ninguém pode usar religiões para perturbar a ordem social, prejudicar os cidadãos ou impedir o sistema nacional de educação", dizia uma carta da Nona Escola Primária de Linzhou, cidade de Anyang, e da Primeira Escola Primária da cidade de Xingyang, Chengguan. 

A China classifica-se como a 27ª pior nação do mundo no que diz respeito à perseguição cristã, de acordo com a World Watch List da Open Doors USA (Missão Portas Abertas), que expressou preocupação de que os assuntos religiosos na China agora "estejam com o Partido Comunista". 

Fonte: The Christian Post

Postar um comentário

0 Comentários