Vivendo acima da média - Por Max Moreira


Viver 'acima da média' é seguir firmemente os mandamentos e decretos de Deus

Há alguns meses, um jovem estava chegando à minha igreja. Congregou, se estabilizou e, como era oriundo de outra igreja, pediu sua carta de membresia para minha comunidade. No dia da sua apresentação como membro, ele falou algumas poucas palavras e soltou uma frase que me perturbou até há alguns dias atrás. Ele disse: “Agora sou um jovem acima da média”.

Soou engraçado no momento, pois a Palavra de Deus mostra minha miserabilidade, pecaminosidade e quanto sou falho e dependente de Cristo para tudo em minha vida. Porque esse insight agora? Tenho sido confrontado pelas Escrituras que minha vida com Deus, tem sido uma hipocrisia, uma vida falhada e medíocre, quando existe “comunhão”, é algo automatizado, superficial, raso e quando não existe... não preciso nem falar, né?

O cristão precisa entender que está em um campo de batalha, em uma guerra. E eu estava vivendo como que estivesse vencido essa guerra. Sabemos que Cristo já venceu essa guerra, mas eu agi como que tivesse feito algo por vencer. O sacrifício de Cristo venceu a morte e o pecado já não é mais meu senhor. Mas não quer dizer que ele (o pecado) não exerça uma influência sobre meu corpo terreno. 

Vivemos em um estado do “já e o ainda não”. somos salvos e vamos viver com Cristo na morada eterna, mas AINDA NÃO, pois não morremos e Cristo ainda não veio buscar os Seus (MARANATA, ORA O SENHOR VEM), então lutamos e travamos uma batalha todos os dias de nossa vida, até a vinda de Cristo.

Mas, você deve estar se perguntando: “Max, porque isso agora? ” Por que vendo minha vida e a vida de muitos jovens de outras igrejas, a Palavra de Deus me confronta que vivemos uma vida de comunhão muito medíocre, muito fraca, muito abaixo da média. Ou melhor: muito abaixo do padrão estabelecido pelo Pai. Somos chamados a viver de maneira santa, pois nosso Deus é Santo, e isso exige de nós renúncia do eu, de prazeres que a nossa carne, o mundo e o diabo nos oferece. 

Somos chamados a ter um relacionamento com o Pai, que quer que Seus filhos andem na luz. Chamando Seus filhos a uma fé salvífica, mas também conservando nossas mentes de uma maneira racional, onde percebamos através do Espírito que estamos ou indo bem (dando frutos) ou indo mal. Grande partes dos jovens, adultos, e infelizmente adolescentes e crianças, não tem uma vida devocional. Vivem fora das igrejas por considerar aqueles que estão dentro hipócritas, jogando assim a carga motivacional deles estarem dessa maneira em homens falhos. Pessoas como essas, balizam sua fé em homens e não em Cristo, que é nosso Rochedo.

Então, meus caros amigos, essa é a média do “cristão” hoje, que não tem comunhão com o Pai, que não tem comunhão com o corpo de Cristo, e vivem uma “comunhão” com um “jesus” que é como se fosse uma espécie de amuleto, pendurado em uma estante na parede da sua casa, e só é retirado de lá quando precisa de algo em suas vidas. Surge uma doença e tiram “cristo” da estante, oram pedindo cura e quando recebem, colocam de volta onde ele estava antes, quando não obtém cura, questionam esse “deus” (com “d” minúsculo mesmo) que não ouviu suas preces. Vivem uma vida a parte do que as Escrituras ensinam e ainda se acham no direito de exigir algo. Essa é a realidade tupiniquim (emprestando aqui o linguajar do pastor Renato Vargens): a média.

Na Palavra de Deus somos exortados a viver acima da média. Temos exemplos de homens de fé, pecadores como nós, mas que decidiram viver fora do padrão mundano. Temos o belíssimo exemplo de José. Saiu de um filho mimado ao segundo maior do Egito, pois agiu como Deus queria que agisse. O exemplo de José não pára por aí. Tentado pela mulher do capitão da guarda do Faraó a manter relações sexuais com ela, o que ele faz? Foge, deixando até suas roupas. 

A média “cristã” hoje é entregar-se a prazeres desenfreados carnais: pornografia, masturbação, sexo antes do casamento, isso no mundo ímpio e infelizmente nas igrejas também. O que posso aplicar do exemplo de José na minha vida? Que quando se trata de sexo, dos desejos desenfreados da carne, devo ser radical, não tentar resistir, pois não foi isso o que ele fez, mas fugir. Fugir para longe da tentação, para não pecar contra Aquele que me deu tudo para a vida e a piedade. Isso é ser acima da média. 

Temos o exemplo de Daniel, que não abandonou seu Deus, mesmo quando estabeleceram leis contra o seu momento de oração a Deus. Daniel aqui não está nos dando o exemplo de rebeldia contra o governo estabelecido, mas a aquele governo que vai de encontro a meu Deus e ao padrão que Ele estabeleceu. No mesmo livro temos o exemplo de três jovens: Sadraque, Mesaque e Abede-Nego, que decidiram não se curvar a estátua que fizeram para adorarem. Consequência disso, foram jogados na fornalha ardente. Foram fieis a Deus, e Deus não os abandonaram, mandando um anjo guardá-los. Novamente o exemplo aqui não é de rebeldia a qualquer governo, mas aquele governo que vai de contra o que Deus estabeleceu em seus decretos. Viver acima da média é isso.

Temos Pedro e João, no sinédrio (livro de Atos), no início da igreja primitiva. A igreja estava sendo acrescida por Deus, por meio da pregação do evangelho proclamada pelos apóstolos, causando um alvoroço. O sinédrio por vezes chama-os e pedem que não preguem Cristo (ao qual eles mesmo mataram). Mas Pedrão vem com aquela bela resposta, que só pode ter sido guiada pelo Espírito e os ensinamentos daquela “faculdade” de três anos com Jesus e diz: “[...] Julguem os senhores mesmo se é justo aos olhos de Deus obedecer aos senhores e não a Deus. Pois não podemos deixar de falar do que vimos e ouvimos’” (At. 4,19,20). 

Um tapa na cara do sinédrio! Mas não fiquem felizes pois isso é um tapa na minha face e na sua também. As circunstâncias não eram boas e os discípulos com entendimento e graça respondem dessa maneira. Isso, meus amigos, é viver acima da média! Isso é ter consciência de que não nascemos para este mundo, mas para vivermos acima da média deste mundo. 

Estes são alguns exemplos de homens que decidiram viver acima da média em sua época. O que mudou de lá para cá? O séc. XXI chegou, a pós modernidade bate à porta, mudamos pouco os conceitos, mas pecado continua sendo pecado. E devemos jogar fora tudo aquilo que nos faz tropeçar na guerra contra a mediocridade dessa vida cristã. Devemos viver, neste caso, acima da média do mundo, e sempre nos padrões que Deus quer que vivamos. 

Fraternalmente,

Max Moreira.

Espalhe a Palavra


* Max Moreira – Estudante de Teologia e membro da Comunidade Batista Videira (Boa Vista - Roraima)

Postar um comentário

0 Comentários