Header Ads

ad

“Igreja recém-descoberta em Israel não é nem bíblica, nem apostólica”, contesta professor

Sítio arqueológico encontrado em El-Araj, norte de Israel (fotos: Instituto Kinneret)

Alguns dias atrás, foi sensacionalmente relatado que arqueólogos descobriram suposta "antiga igreja bíblica dos apóstolos", em El-Araj, no norte de Israel. Porém, segundo o Dr. Pieter J. Lalleman, professor de Novo Testamento da Spurgeon´s College, o sítio arqueológico descoberto não se trata de uma igreja. 

Acredita-se que esta foi supostamente construída sobre a casa dos discípulos de Jesus, Pedro e André, na antiga cidade israelita de Betsaida, perto do Mar da Galileia, em Israel. Em um artigo publicado no site Christianity Today, Dr. Lalleman, ressalta que é preciso avaliar todos os fatos para se chegar a uma conclusão mais precisa.

“A primeira pergunta: esta igreja é ‘bíblica’? Como assim é da ‘época dos primeiros apóstolos’?”, questiona. “As estimativas atuais são de que a igreja foi construída por volta do ano 500 d.C. e destruída ou abandonada algumas centenas de anos depois. A datação segura da descoberta é muito ajudada pela presença de moedas de período. As moedas são quase por definição datadas ou datáveis”. 

O texto segue dizendo que a data de 500 d.C. faz com que seja uma igreja antiga, mas de modo algum seria uma que dataria dos tempos bíblicos. Como os últimos apóstolos devem ter morrido no ano 100, há uma lacuna de centenas de anos entre eles e a construção desta igreja. 

Dr. Lalleman explica que nos tempos bíblicos, os seguidores de Jesus ainda não construíam igrejas, encontrando-se em casas particulares, sinagogas ou acomodações alugadas (por exemplo, na descrita em Atos 18: 4-7). A mais antiga igreja construída para esse propósito data de 200 d.C. 

Os arqueólogos também encontraram fragmentos de uma tela de capela-mor que teria separado a congregação do sacerdote no altar. “Isto sugere um edifício avançado, porque a separação entre sacerdote e congregação é um desenvolvimento tardio e não bíblico”, diz o professor. 

É apostólica? 

Dr. Lalleman: "É preciso verificar todos os fatos"
Outro questionamento feito por Lalleman é quanto a chamar este edifício de "Igreja dos Apóstolos", pois requer algum uso criativo da linguagem. É feita referência a um bispo do século VIII, Willibald, que foi o primeiro a mencionar a existência desta igreja. Este viajou da Alemanha para a Terra Santa como um peregrino. De acordo com o comunicado de imprensa do Centro para o Estudo do Judaísmo Antigo e Origens Cristãs, "No caminho, ele passou por um lugar chamado Betsaida, onde ele viu uma basílica construída sobre a casa de Pedro e André". 

O que Willibald realmente escreveu é, segundo o professor, é: “E dali eles seguiram para Betsaida, de onde vieram Pedro e André. Existe agora uma igreja onde a casa deles era antigamente. Eles ficaram lá uma noite”. Assim, o nome "Igreja dos Apóstolos" é uma invenção moderna que não se refere a todos os apóstolos, mas apenas a Pedro e André. 

Resta discutir se El-Araj, onde está igreja recém-descoberta está situada, é a cidade bíblica de Betsaida. “Isso não é, de forma alguma, correto”, diz Lalleman. Alguns estudiosos afirmam que o et-Tell, também perto do Mar da Galileia, é a antiga Betsaida. A identificação da cidade é difícil porque ninguém entre 300 e 500 d.C. menciona Betsaida, nem mesmo o bispo Eusébio de Cesaréia, que escreveu sobre a geografia da área. 

Um dos exploradores da igreja, o professor Steven Notley, afirma que embora o local da igreja estivesse de fato desocupado por cerca de dois séculos durante os séculos IV e V, a posterior construção de uma igreja sugere que a comunidade cristã ainda se lembrava de onde A aldeia do Novo Testamento foi localizada. 

“Esta é uma afirmação duvidosa, pelo menos tão duvidosa quanto a alegação de que podemos identificar uma colina particular na Galileia como o Monte das Bem-aventuranças. Sentimentos piedosos de gerações posteriores não são o mesmo que conhecimento confiável”, destaca o professor. 

Pedro, Betsaida, Cafarnaum 

Dr. Lalleman finalizar seu artigo citando que no Novo Testamento, Pedro e André não estão associados apenas a Betsaida ( ver João 1:44), mas também com Cafarnaum (por exemplo, Marcos 1:21, 29). Isso, segundo o professor, é uma dificuldade em si, porque o Evangelho de João parece contradizer o de Marcos. 

“A solução normal desse problema é presumir que Pedro e André haviam nascido em Betsaida, mas que em algum momento se mudaram para Cafarnaum. Da mesma forma, Jesus era de Nazaré, mas ministrou em Cafarnaum (Mateus 4:13); mas ele sempre foi conhecido como 'Jesus de Nazaré'. Alternativamente, Pedro tinha negócios em Betsaida, embora ele morasse em Cafarnaum, já que Betsaida parece ter sido um centro da indústria pesqueira”. 

Fonte: Christianity Today

Nenhum comentário