De orientação cristã e conservadora, vem aí o partido “Aliança pelo Brasil” - Cristianismo Inconformado

Publicidade

test banner

Post Top Ad

De orientação cristã e conservadora, vem aí o partido “Aliança pelo Brasil”

Share This
O novo partido foi idealizado pelo presidente Jair Bolsonaro e conta com os filhos como os primeiros da lista de filiações | FOTO: Divulgação/Twitter

Sob os pilares da defesa da vida e da família, do respeito à liberdade religiosa, da memória e da cultura do povo brasileira e da garantia de ordem e da segurança pública, nasce o partido “Aliança pelo Brasil”, encabeçado pelo presidente da República Jair Bolsonaro. A convenção de lançamento da nova agremiação política aconteceu nesta quinta-feira (21), em Brasília. 

Claramente, este será o primeiro partido de fato conservador de direita do país. Bolsonaro já havia anunciado nas últimas semanas sua saída do Partido Social Liberal (PSL), por divergências com a cúpula do partido, especialmente com o presidente da mesma, Luciano Bivar. No entanto, muitos filiados já iniciaram o traslado para o novo partido. 

O programa do “Aliança pelo Brasil” tem entre seus princípios a rejeição a doutrinas como nazismo, comunismo e "globalismo", este último visto como enfraquecimento da soberania nacional e duramente criticado por forças de direita em todo o mundo. A batalha contra a doutrinação ideológica, fortalecida após anos de dominação marxista no país, já foi declarada. 

Na convenção, Bolsonaro foi escolhido como presidente do novo partido, além de Flávio Bolsonaro, como vice. Até o filho caçula, Renan, se filiou à legenda. Porém, uma regra primordial que deverá ser seguida é que os filiados não podem ser condenados em segundo grau de jurisdição pela prática de crimes hediondos, equiparados, violência contra a mulher e corrupção. 

Brados de vitória antecipada à parte, o presidente deve ainda, para tirar o partido “do papel”, de 491 mil assinaturas para ser criado oficialmente e ter seu registro no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A expectativa de Bolsonaro é que o TSE autorize a coleta de assinaturas por meio eletrônico. Caso seja manual, a criação da legenda deve ficar para o final de 2020. A campanha de filiação em todo o Brasil já começou nesta quinta-feira. 

Fonte: Gazeta do Povo/ Metro Jornal/ Agência Brasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Bottom Ad

Pages