"Movimento 'Worship' moderno é totalmente perigoso", diz músico - Cristianismo Inconformado

Publicidade

test banner

Post Top Ad

"Movimento 'Worship' moderno é totalmente perigoso", diz músico

Share This
Keith Getty: "Muitas canções de adoração estão focadas nesta Terra"
Autor de diversas obras sobre louvor e adoração, o músico Keith Getty vem alertando os líderes da igreja sobre o movimento de adoração moderno, (popularmente chamado de "Worship" que ele descreve como de "relevância cultural" que é "totalmente perigoso" e está contribuindo para o "'descristianismo' do povo de Deus".

Em uma entrevista ao The Christian Post, Getty disse que muitas canções de adoração modernas se concentram no emocionalismo, em vez da sã doutrina e verdades bíblicas. Isso, segundo o músico, leva a uma geração mal equipada para entender ou defender a fé cristã.

"Uma geração autêntica não começa com catarse; tem que começar com uma imagem autêntica do Deus da Bíblia ”, explicou. “Mais de 75% do que é chamado de grandes hinos da fé falam sobre eternidade, céu, inferno e o fato de termos paz com Deus. No entanto, menos de 5% das canções de worship modernas falam sobre a eternidade”. 

"Muitas canções de adoração estão focadas nesta Terra", disse Getty. “Acredito que o movimento worship é um movimento de relevância cultural. É um descristianismo do povo de Deus. É totalmente perigoso. Não tenho nenhuma queixa dizendo: 'Basta'. Isso não pode criar uma geração autêntica”.

Keith Getty e sua esposa, Kristyn, são apaixonados por promover uma “reforma” na música de adoração: “Parte de nossa campanha é fazer com que nossa geração conheça os grandes hinos da fé”, disse Getty. "Não se trata de um fascínio pelo período. É sobre escrever músicas que explicam o Evangelho e também são belas artes".

“A bela arte dura”, disse ele. “No final do dia, uma música que você canta por 50 anos é mais valiosa do que uma que você canta por 50 meses. Vivemos na geração mais emocionante de ser cristão, mas também é a geração mais desafiadora. Essa ideia de que o cristianismo é legal ou fácil não é bíblica. É um nome impróprio para nossa geração. Através da música, queremos construir crentes profundos que conhecem e amam a Cristo”. 

Em agosto deste ano, John Cooper, líder da banda Skillet, fez crítica semelhante ao afirmar que os cristãos atuais dão muitos ouvidos a "influenciadores musicais". O músico se referenciava à canção "Ousado Amor" ("Reckless love", no original), que traria uma imagem meramente humanista do trato de Deus ao homem. 

Fonte: The Christian Post 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Bottom Ad

Pages