Radicais Fulani deixam novo rastro de terror em comunidades cristãs da Nigéria

Nos ataques promovidos pelos Fulani, muitos são mortos e tem suas casas e igrejas completamente destruídas pelos terroristas |FOTO: Morning Star

O grupo Fulanis, formado por muçulmanos radicais nômandes, continuam a promover seus ataques genocidas na região de Kaduma, Nigéria. De acordo com a Morning Stars, no dia 16 deste mês, uma célula da organização pastoril matou dois cristãos, dias após o sequestro de outros dois. 

Isa Dauda e John Zaman foram mortos no ataque por volta das 20h na vila predominantemente cristã de Ungwan Anjo, perto da cidade de Godogodo, no condado de Jema'a, disse Aku Joshua Shai, morador da área, via mensagem de texto. Ele disse que quatro igrejas na vila foram fechadas porque todos os cristãos haviam fugido.

"Quase todas as casas em Ungwan Anjo foram incendiadas", disse Shai. “As igrejas afetadas em Ungwan Anjo incluem a ECWA [Igreja Evangélica Vencedora de Todos], Igreja Anglicana, ERCC [Igreja Evangélica Reformada de Cristo] e a Igreja Cristã Redentora de Deus [RCCG].”

Dois dias antes, os líderes da União Popular do Sul de Kaduna (SOKAPU) descreveram os ataques no estado como genocidas. "Os ataques em andamento às nossas comunidades apontam para o fato de que existe uma limpeza étnica deliberada no sul de Kaduna, à qual as autoridades fecharam os olhos", disse o presidente da SOKAPU, Jonathan Asake, em uma entrevista coletiva realizada em 14 de maio na cidade de Kaduna.

Asake disse que os pastores Fulani atacaram Gonar Rogo, no condado de Kajuru, também em 11 de maio. No dia seguinte, incendiaram casas em Bakin Kogi, deslocaram os moradores e também atingiram a vila de Idanu.

Sequestros

Muçulmanos Fulani também sequestraram dois cristãos no estado de Kaduna na semana passada, enquanto a polícia do estado de Plateau resgatou o corpo da filha de seis anos de idade de um professor universitário, baleada e morta por sequestradores, disseram fontes.

No município de Giwa, estado de Kaduna, Os fulani também sequestraram dois membros de uma igreja católica em Zango Tama, no dia 12 de maio, e dois dias depois, voltaram para atacar a vila, segundo relatos de um morador local, Nenfort Thomas, ao Morning Star News. 

Foram sequestradas Amina Yakubu, ex-secretária financeira do grupo de Mulheres da Irmandade da Paróquia Católica de St. Ann em Zango Tama, e Ayuba Sarkin Noma Udoji, membro da paróquia, disse Thomas.

A Nigéria está na 12ª colocação da lista de países onde os cristãos sofrem mais perseguição, segundo a Missão Portas Abertas, mas também está em segundo lugar no número de cristãos mortos por sua fé, perdendo apenas pelo Paquistão.

Fonte: Morning Star News




Postar um comentário

0 Comentários