Header Ads

ad

A infiltração dos “cristãos progressistas” na igreja cristã

Se há ruptura com a tradição cristã mais ampla, como reconhecer esses ditos “progressistas” como cristãos?

Em 2018 e 2019 escrevi alguns textos sobre os problemas doutrinais dos “cristãos progressistas”, entre eles ‘Crenças e fontes dos “cristãos progressistas”’, ‘Sobre os “cristãos progressistas”: qualificações e gradações’ e ‘O fervor religioso dos “cristãos progressistas”’.

Em linhas gerais, os “cristãos progressistas”:

- repudiam a Bíblia como Palavra de Deus inspirada e infalível;
- falam da irrelevância da Trindade ou defendem o teísmo aberto;
- são indiferentes aos ensinos sobre o pecado original e pessoal e a salvação pela graça;
- repudiam o nascimento virginal de Cristo Jesus;
- seu sacrifício expiatório e substitutivo na cruz;
- e sua ressurreição corporal;
- rejeitam todo e qualquer milagre ou sinal divino;
- são críticos das igrejas ou “desigrejados”;
- são indiferentes ou abandonaram qualquer crença na segunda vinda de Cristo.

Esta ruptura com a crença consensual cristã pode ser encontrada numa consulta aos livros, artigos, ensaios e apostilas sugeridos ou publicados por estes e que ilustram a ruptura com a fé entre muitos dos “cristãos progressistas” brasileiros; há em nosso país várias faculdades teológicas e instituições que também disseminam tal incredulidade.

Deve-se deixar claro que os “cristãos progressistas” não estão questionando questões secundárias ou não-essenciais à fé. Eles romperam com “aquilo que foi crido em todo lugar, em todo tempo e por todos [os fiéis]” (Vicente de Lérins), a fé comum a cristãos católicos, protestantes e pentecostais.

Se há tal ruptura com a tradição cristã mais ampla, como reconhecer esses ditos “progressistas” como cristãos?

Ao mesmo tempo, estes “cristãos progressistas” tornam absoluta toda a agenda atrelada aos anseios hegemônicos da esquerda e extrema-esquerda, defendendo ferrenhamente:

- a união homoafetiva e a redefinição do conceito de família;
- a defesa do aborto;
- a liberalização das drogas;
- o antissemitismo e antissionismo, e Israel como um “estado terrorista”;
- a divisão marxista da sociedade em categorias de opressor e oprimido/vítima;
- uma política identitária que divide a sociedade, sem nenhum interesse em reconciliação;
- a crença de que “todos os homens brancos são responsáveis pela opressão branca” e que o homem branco cristão é o opressor, “o diabo” (James Cone), e “a igreja ‘branca’ é o Anticristo” (Jeremiah Wright);
- a satanização dos opressores e imposição aos indivíduos de pagar por opressões históricas das categorias a que pertencem;
- que aqueles que não concordem com eles são fascistas, homofóbicos, racistas, misóginos etc.
- e a fé de que o Estado controlador, sob o domínio do Partido, pode moldar e controlar a sociedade civil, levando-a a um milênio secularizado.

Este é todo o “evangelho” que os “cristãos progressistas” têm para oferecer.

Em síntese, “cristãos progressistas” dizem que admiram Martin Luther King, mas agem como Malcom X.

Também é curioso notar que vários desses “cristãos progressistas” se identificam como “pastores”. Mas – sobretudo aqueles que se identificam com as igrejas cristãs históricas, especialmente de tradição independente – é difícil descobrir quando ou quem os ordenou ao ministério pastoral.

Seria interessante saber se os pastores que se identificam com o progressismo e que foram ordenados em denominações históricas ainda mantêm as crenças defendidas em sua ordenação ministerial. Ou se, depois de ordenados, volveram ao liberalismo teológico, trocando o evangelho do Senhor Jesus Cristo por uma mixórdia gnóstica.

Assim, se aproveitando da falta de uma confessionalidade clara por parte de muitas igrejas cristãs históricas, substituída por afirmações ingênuas do tipo “nenhum credo, só a Bíblia”, alguns desses “cristãos progressistas”, que romperam com as afirmações doutrinais que são consensuais aos cristãos, malandramente também tentaram se esconder por trás de linguagem ambígua, em seu esforço de infiltração nas igrejas – assim, muitas vezes serão os discípulos “milicrentes” desses que levarão o discurso dos “pastores progressistas” às últimas consequências.

Diferente de alguns destes “progressistas”, que se criaram em grupos paraeclesiásticos, eu fui enviado pela igreja batista onde cresci para estudar teologia formalmente, num seminário teológico. E eu ainda lembro de professores de Antigo Testamento, teologia do Antigo Testamento, filosofia da religião, metodologia teológica etc., despejando sua incredulidade sobre mim e meus colegas.

Ainda lembro de um destes professores, esquerdista teimoso, sem temor a Deus, proferindo blasfêmia grosseira sobre Jesus Cristo em sala de aula. Ao mesmo tempo que eram propagandistas da teologia liberal ou da teologia da libertação, eram devotos esquerdistas – e isso no começo da década de 1990.

Na verdade, alguns dos professores com quem estudei no seminário eram agnósticos ou ateus ou transformaram suas igrejas em ONGs.

No fim, os “cristãos progressistas” se submetem a uma Ideia, não à Revelação. Por isso, não podem ser considerados evangélicos. São mais próximos do gnosticismo do que do cristianismo. Portanto, devem ser caracterizados como “cavalos de Troia” dentro da igreja cristã.

E a igreja cristã no Brasil precisa entender que o mesmo adversário que parasitou e predou a igreja na América do Norte e na Europa está presente em nosso país, e luta com todas as forças para seduzir alguns em nosso meio.

- “Se você crê somente naquilo que gosta no evangelho e rejeita o que não gosta, não é no evangelho que você crê, mas, sim, em si mesmo” (Agostinho de Hipona)

- “Depois de exortar a primeira e a segunda vez alguém que causa divisões, passa a evitá-lo. Sabes que tal indivíduo perverteu-se, vive pecando e já condenou a si mesmo” (Tt 3.10,11)

- “As portas do inferno não prevalecerão contra [a igreja]” (Mt 16.18)

* Por Franklin Ferreira - Pastor, teólogo e escritor. É diretor geral e professor de Teologia Sistemática e História da Igreja no Seminário Martin Bucer, em São José dos Campos, e consultor acadêmico de Edições Vida Nova.

Nenhum comentário