Twitter exclui vídeo promovido por Trump a favor da hidroxicloroquina

A rede social considerou o vídeo contrário à "política de desinformação" referente ao coronavírus |FOTO: Divulgação

O Twitter removeu um vídeo promovido na conta do presidente Trump na segunda-feira mostrando o que pareciam médicos em Washington elogiando os benefícios do uso da hidroxicloroquina no tratamento de pacientes com COVID-19.

O vídeo, que foi amplamente compartilhado nas mídias sociais, parecia incluir cerca de uma dúzia de médicos em frente ao prédio da Suprema Corte em Washington. Não ficou claro quando o vídeo foi filmado.

Um representante do Twitter disse à CNN que a ação foi tomada "de acordo com a política de desinformação" referente ao coronavírus. Uma médica, identificado em relatórios como Dra. Stella Immanuel, afirmou que tratou mais de 350 pacientes com coronavírus - alguns com diabetes e pressão alta - e nenhum morreu depois de receber hidroxicloroquina, zinco e zitromax. Ela alegou que ainda administra o medicamento em medidas profiláticas.

O New York Times apontou para estudos recentes que questionaram a eficácia do tratamento e classificaram o vídeo como "o exemplo mais recente de desinformação que se espalhou" sobre o vírus. 

Já o portal Breitbart relatou que um grupo chamado America's Frontline Doctors promoveu uma coletiva de imprensa "organizada e patrocinada pelos Tea Party Patriots". O evento incluiu os médicos e uma aparição do deputado Ralph Norman, RS.C., segundo o relatório.

O vídeo faz alegações espetaculares sobre o tratamento que basicamente chama tudo de cura. Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças afirmam que não há tratamento antiviral específico recomendado para o COVID-19. 

O relatório do Breitbart afirma que o vídeo foi posteriormente removido pelas plataformas de mídia social. O Twitter não respondeu imediatamente a uma pergunta da Fox News e um porta-voz do Facebook disse ao Breitbart que o vídeo foi removido porque compartilhava informações falsas "sobre curas e tratamentos para o COVID-19".

O debate sobre a droga antimalárica está em andamento há semanas e os críticos de Trump o acusam de vender demais um tratamento não comprovado. Os apoiadores de Trump acusaram as empresas de mídia social de silenciar o que é considerado uma visão marginal da doença.

Em abril, o YouTube foi criticado por remover um vídeo viral de dois médicos da Califórnia questionando o nível de ameaça do coronavírus. 

Controvérsias

O New England Journal of Medicine informou em junho que um estudo mostrou que a hidroxicloroquina não era melhor do que pílulas placebo na prevenção de doenças causadas pelo coronavírus. A droga não pareceu causar danos sérios - cerca de 40% das pessoas que administraram a droga tiveram efeitos colaterais, principalmente problemas estomacais leves.

“Ficamos decepcionados. Gostaríamos que isso funcionasse ”, disse o líder do estudo, Dr. David Boulware, especialista em doenças infecciosas da Universidade de Minnesota. "Mas nosso objetivo era responder à pergunta e conduzir um estudo de alta qualidade, porque as evidências sobre a droga até agora têm sido inconclusivas", disse ele. 

O Lancet publicou um estudo que descobriu que pacientes com coronavírus eram mais propensos a desenvolver arritmias cardíacas graves se tratados com a droga, mas esse estudo foi retirado posteriormente . 

Harvey Risch, professor de epidemiologia da Escola de Saúde Pública de Yale, disse à Fox News na semana passada que acredita que a hidroxicloroquina pode salvar 75.000 a 100.000 vidas se a droga for amplamente usada para tratar o coronavírus.

"Recebi comentários hostis de vários médicos dizendo que todas as evidências são ruins para isso e, de fato, isso não é verdade", disse Risch ao Ingraham Angle, acrescentando que ele acredita que o medicamento pode ser usado como "profilático" para os trabalhadores da linha de frente, como fizeram outros países como a Índia.

Risch lamentou que uma "guerra de propaganda" esteja sendo travada contra o uso da droga para fins políticos, não baseada em "fatos médicos". 

Fonte: Fox News

Postar um comentário

0 Comentários