Header Ads

ad

Religiosos, moralistas e depravados

Religião, ideologia política ou filosofia de vida nunca foram atestados de moral ilibada

Simplesmente estarrecedor quando nos deparamos com notícias envolvendo pessoas, até então tidas como dotadas de moral ilibada e defensora da moral e dos bons costumes, que se veem atolados em denúncias de todos os tipos. Pessoas que se valeram de sua posição de destaque, admirados por tudo e todos, serem envoltos em falcatruas, crimes contra a honra, violência e tudo mais. 

Nosso senso de justiça fica apurado. Qualquer ato contra inocentes precisa ser apurado e devidamente julgado e condenado. É o nosso sentimento. A raiva e o ódio por ver tantas vidas sendo tratadas de formas tão vis por gente de caráter questionável são o combustível para nosso brado contra esses inescrupulosos, pervertidos, assassinos, idólatras e afins. 

Que fique claro: Religião, ideologia política ou filosofia de vida nunca foram atestados de moral ilibada. Mas se há algo em comum em todas essas esferas é que nossa fraqueza sempre clama pela reconciliação. Constantemente, Deus, por meio de Seu Santo Espírito, nos impulsiona a reconhecer nossas mazelas e nos conduz ao arrependimento. Alguns, infelizmente, não se atentam à Sua voz. 

O apóstolo Paulo, outrora um assassino e perseguidor de cristãos, compreendeu sua condição. Ele teve um encontro real com Deus e foi restaurado. Não à toa, escreveu: 

Vocês estavam mortos em suas transgressões e pecados, nos quais costumavam viver, quando seguiam a presente ordem deste mundo e o príncipe do poder do ar, o espírito que agora está atuando nos que vivem na desobediência. Anteriormente, todos nós também vivíamos entre eles, satisfazendo as vontades da nossa carne, seguindo os seus desejos e pensamentos. Como os outros, éramos por natureza merecedores da ira. Todavia, Deus, que é rico em misericórdia, pelo grande amor com que nos amou, deu-nos vida juntamente com Cristo, quando ainda estávamos mortos em transgressões — pela graça vocês são salvos. 

Efésios 2.1-5 



Não sou o senhor da razão. Não me vejo como alguém com cacife para apontar o dedo para esse ou aquele. Meu desejo é que tanto a justiça divina quanto a humana sejam devidamente cumpridas. Este mundo é mal. E apresenta pioras a cada dia. Só não quero cair no mesmo buraco profundo de maldade e perversão onde muitos sucumbem. Por isso, a graça de Deus Todo Poderoso é onde mais nós devemos nos abrigar e assim permanecer. 



***
Sem “notinhas”, por enquanto...

____________________

* Por Fábio Cavalcante - Jornalista e editor-chefe do Portal Cristianismo Iconformado; fotógrafo, músico, estudante de Teologia e entusiasta de Filosofia. Atualmente é membro da Igreja Batista Imperial, em Boa Vista (RR).  

Saiba mais sobre o que penso: 
http://fabio.home.blog

Nenhum comentário