Header Ads

ad

TIKTOK| Em vez de “memes”, jovens cristãos usam app para evangelização

Gabe Poirot, Aatiqah Wright e Elijah Lamb estão entre os influenciadores da "Christian Tiktok", cuja iniciativa é levar o Evangelho por meio da plataforma  

Sem dúvidas, o polêmico app chinês TikTok é um dos principais da atualidade. Como mais de 800 milhões de usuários em todo o mundo, o aplicativo é famoso pelos vídeos virais, sobretudo de humor, os chamados “memes da internet”. No entanto, há quem a use como ferramenta para algo de fato relevante: a evangelização.

É o caso do estudante Gabe Poirot (@gabe.poirot), de 19 anos, que usa sua conta no app para compartilhar com seus mais de 500 mil seguidores sobre a palavra de Deus. Com a tag “#MakeJesusViral” (Algo como “faça Jesus viralizar”), ele ministra breves mensagens sobre textos bíblicos e faz orações pelo seu público.

Gabe faz parte de uma tendência dentro do aplicativo que vem sendo conhecida como “Christian TikTok” – ou simplesmente “JesusTok”, como sugere o rapper Kanye West. Com isso, em vez de memes ou vídeos engraçados, a missão é falar sobre Jesus, cantar cânticos cristãos, orar e tornar o Evangelho conhecido por todos. Os “tiktokers” cristãos fazem desafios de dança populares, estudo da Bíblia e até mesmo tutoriais sobre como alongar-se sem participar dos elementos hindus da ioga.

Gabe conta que começou que ingressou na plataforma em abril, mas não o levou a sério de início. Ele basicamente postava conteúdo de comédia cristã. Então, um de seus vídeos acumulou 50.000 visualizações durante a noite.

“O pensamento veio ao meu coração e realmente me impressionou”, disse ele, ao Christianity Today. “Não estou aqui para ser famoso por mim mesmo. Eu quero tornar Jesus viral”.

Foi assim que nasceu a hashtag #MakeJesusViral e Poirot passou a criar mais vídeos evangelísticos. Ele criou uma série de 40 partes sobre por que "Todos merecem o inferno" e muitas vezes começa seus clipes com perguntas como "E se você parasse de rolar por 60 segundos e mudasse sua vida?".


@gabe.poirot

❤️ @gabe_poirot3 ##makejesusviral ##carrychrist ##pray ##prayer ##love ##god

♬ Make Jesus Viral - Gabe Poirot

Poirot disse que as cruzadas de Billy Graham motivaram sua sede de avivamento. Ele assistiu aos vídeos do evangelista quando era mais jovem e se inspirou em como as cruzadas o ajudaram a “dar aos cristãos um lugar para levar seus amigos”. Como a pandemia de coronavírus limita o alcance pessoal, ele acha que ferramentas como o TikTok podem ter um papel único na evangelização dos sem-igreja.

Mas Graham não é a única inspiração de Poirot. Ele também citou o funil de marketing tradicional como sua estratégia para divulgação online. Semelhante a como os vendedores incentivam as pessoas a comprar um produto, gerando reconhecimento e adesão, Poirot usa seus vídeos TikTok para levar as pessoas a suas transmissões ao vivo mais longas no YouTube. Nas noites de quarta e domingo, centenas de crianças ansiosas em todo o mundo sintonizam-se para cantar canções de louvor, ouvi-lo pregar e recitar uma oração de arrependimento junto com ele no final.

Outro que tem sido relevante no app é Elijah Lamb ( @ elijah.lamb ), 17, que começou a produzir conteúdo humorísticos em 2019. Mais tarde, ele começou a fazer vídeos de apologética e compartilhar seu testemunho com seus 669.000 seguidores. (No momento, ele está criando uma série de 66 partes sobre os livros da Bíblia).

Segundo ele, embora o aplicativo tenha lhe dado a oportunidade de construir muitas amizades, a comunidade carece de autoridade governante da igreja. “Ninguém é o presidente da Christian TikTok”, disse ele, “então é difícil manter a ordem”.

@elijah.lamb

day 28! i’m gonna get consistent with these again fr, 38 days to go ;) ##biblein66days ##christian ##fyp ##God ##spirituality ##religion

♬ God Given Dreams - Lord's Child & Montell Fish

No entanto, como estamos falando de um aplicativo que teve origem num dos maiores países comunistas da atualidade, muitos temem que os vídeos do TikTok estejam, de fato, sendo controlados. O portal Religion Unplugged relatou em maio que alguns influenciadores cristãos afirmaram que a TikTok “bane” as vozes cristãs, uma prática na qual uma plataforma de mídia social secretamente remove ou se recusa a circular certos vídeos.

Aatiqah Wright (@uhteakuh), de 22 anos, disse que, embora normalmente ela conseguisse 15.000 visualizações em dois minutos, muitas vezes seus views foram reduzidos para mil visualizações em uma hora. “Houve um ponto em que todos nós sentimos que não podíamos nem mesmo colocar Jesus em nossas legendas porque TikTok pegava e não colocava o vídeo lá”, disse.

@uhteakuh

I love my friends lol ##greenscreen ##doitbold ##comingofage ##foryou ##texts

♬ Monkeys Spinning Monkeys - Kevin MacLeod


Controvérsias  

No início de 2020, o TikTok estabeleceu o recorde como o aplicativo mais baixado em um trimestre; até o momento, ele foi baixado mais de 2 bilhões de vezes em todo o mundo. Parte da popularidade do aplicativo entre os contribuidores é seu algoritmo, que sugere novos vídeos com base no histórico e nas preferências dos usuários. Ele pode saltar o vídeo médio para as telas dos 700 milhões de usuários ativos mensais do TikTok, lançando a carreira de aspirantes a influenciadores de mídia social.

O aplicativo é controverso, não apenas por causa das preocupações de que o governo chinês o use para coletar dados sobre americanos, mas também porque espalhou vídeos como uma garota documentando seu aborto e um homem filmando seu suicídio. Mas e outros criadores de TikTok cristãos esperam alavancar a viralidade fácil por causa do evangelismo.

- Por Fábio Cavalcante (@fabiocbv)


Nenhum comentário