Perseguição aos cristãos aumenta durante as festas natalinas, alerta missão internacional

Comemorar o natal em países onde o Cristianismo é proibido ou hostilizado é motivo de grande risco à vida dos cristãos, especialmente os novos convertidos |FOTO: Channi Anand/AP 

 

A época do Natal coloca uma pressão particularmente intensa sobre os cristãos vulneráveis ​​em todo o mundo. Além disso, em meio à pandemia de coronavírus em andamento, a perseguição que os crentes estão enfrentando neste ano torna-se ainda maior do que o normal. 

“O Natal é o verdadeiro ponto focal para celebrar o nascimento de Jesus e, inversamente, o ponto focal para as pessoas que perseguem os cristãos por sua fé”, disse David Curry, CEO da Missão Portas Abertas nos Estados Unidos, organização sem fins lucrativos que defende os cristãos perseguidos em todo o mundo. 

Tais perseguições, segundo Curry, aumentaram bastante durante a criseda Covid-19. O líder humanitário apontou para o norte da Nigéria, por exemplo, onde os líderes do governo islâmico “estão escondendo e evitando ao cesso a alimentos de aldeias cristãs” em meio à escassez causada pela pandemia. 

Curry citou relatórios semelhantes do Paquistão  e da  Índia . Em julho, o diretor de comunicações da Portas Abertas na Ásia, Jan Vermeer, disse à Premier Christian Radio que a instituição de caridade foi "inundada com relatos de cristãos dizendo que suas comunidades só lhes dariam comida se eles se convertessem de volta à fé original". 

“Portanto, agora estamos ajudando a alimentar neste Natal as pessoas que não receberam alimentos e receberam ajuda do governo durante a pandemia porque são cristãos nessas comunidades. E quanto a algumas dessas áreas, vai tocar seu coração ver o quanto eles amam a Jesus, como estão famintos. E então, quando lhes trazemos a comida, é uma virada de jogo para eles”,  explicou Curry. 

Além disso, o Natal é particularmente difícil para os novos convertidos muçulmanos que abandonaram sua fé islâmica em favor do cristianismo. A vida desses, segundo Curry, foi “grandemente alterada”, observando que muitos deles são rejeitados por suas famílias enquanto viviam em países hostis a suas novas crenças. Suportar essas mudanças espirituais tectônicas pela primeira vez no Natal “pode ser muito estressante”, acrescentou.

 

Apoio internacional 

Continuar a fornecer suporte a essas comunidades, porém, requer dinheiro. Em média, os americanos gastam cerca de US $ 1.400  em viagens de férias a cada ano. Com tantos em casa neste Natal, Curry está pedindo às pessoas que doem parte do dinheiro economizado para essas viagens a crentes necessitados que vivem em países hostis ao Cristianismo. 

“Estes não são, na maioria dos casos, ‘brinquedos debaixo de uma árvore’”, disse Curry sobre os presentes comprados para crentes perseguidos. “São coisas simples como treinamento vocacional, como atendimento ao trauma, pagar para que seus conselheiros falem sobre o que aconteceu com eles. Alguns deles sofreram traumas realmente inimagináveis ​​[e] dificuldades por causa de sua fé. Eles podem ter sido ameaçados, alguns deles, mulheres foram agredidas”. 

“É uma manifestação de amor no Natal em nome de Jesus pelas pessoas que estão sob tremenda discriminação e opressão por sua fé”, acrescentou ele. 

Curry encorajou as pessoas a baixar o aplicativo de oração da Missão Portas Abertas, o Pray for the Persecuted, onde os usuários podem aprender sobre as “necessidades urgentes que surgem todos os dias” e escrever cartas e e-mails para cristãos vulneráveis ​​ao redor do mundo. 

Para aqueles interessados ​​em doar para a causa ou aprender mais sobre o Open Doors USA, você pode visitar o site internacional – opendoorsusa.org – ou o site da missão no Brasil - portasabertas.org.br

FONTE: CBN News

Postar um comentário

0 Comentários