Quase metade dos norte-americanos se recusa a se vacinar contra covid-19, diz pesquisa

 

A maioria das pessoas citou os efeitos colaterais da vacina como o motivo para não querer ser vacinado |FOTO: Matthias Stolt


Conforme as primeiras doses da vacina contra covid-19 começam a chegar aos estados dos EUA, muitos americanos não têm certeza se querem ser vacinados. Um quarto dos adultos no país ainda está em dúvida sobre se receberão a vacina e quase outro quarto disse que não seria vacinado, de acordo com uma pesquisa conduzida pelo Centro de Pesquisa de Assuntos Públicos da Associated Press-NORC.

A maioria das pessoas citou os efeitos colaterais da vacina como o motivo para não querer ser vacinado. Quase metade dos participantes da pesquisa, 47%, disseram estar preocupados em obter Covid-19 da vacina. De acordo com a pesquisa, 62% dos adultos com 60 anos ou mais disseram que seriam vacinados, em comparação com 51% das pessoas com 45 a 59 anos e 36% das pessoas com menos de 45 anos.

No geral, 47% dos adultos disseram que seriam vacinados, mostram os resultados. Entre aqueles que não querem ser vacinados, cerca de 3 em cada 10 disseram que não estão preocupados em ficar seriamente doente com vírus chinês, e cerca de um quarto disse que o surto não é tão sério como algumas pessoas dizem. Cerca de 7 em cada 10 daqueles que disseram que não serão vacinados estão preocupados com os efeitos colaterais.

Os resultados da pesquisa são baseados em entrevistas com 1.117 adultos americanos conduzidas de 3 a 7 de dezembro. A margem de erro é de ± 3,9 pontos percentuais para a amostra completa, segundo o Centro de Pesquisa de Assuntos Públicos da Associated Press-NORC.

Efeitos colaterais

De acordo com um novo relatório de dados dos ensaios da vacina da Pfizer divulgado pela Food and Drug Administration (FDA), a vacina foi, conforme relatado pela Pfizer, 95% eficaz pelo menos 7 dias após a segunda vacinação. Os dados mostram que a vacina foi apenas 52% eficaz após a primeira dose.

O relatório concluiu que os dados de eficácia da vacina atenderam às expectativas do FDA para autorização de uso de emergência. No entanto, não havia dados suficientes para o FDA concluir o quão segura a vacina é em crianças menores de 16 anos, mulheres grávidas e pessoas com sistema imunológico comprometido.

Entre os efeitos colaterais menores que ocorreram após a segunda dose estão: fadiga em 3,8% dos voluntários e dor de cabeça em 2%. Os adultos mais velhos tendem a relatar menos eventos adversos e mais leves.

Seis pessoas morreram no estágio final de teste da vacina contra covid-19 da Pfizer, revelou o relatório de 53 páginas, divulgado nesta quarta-feira (9). Duas pessoas que receberam a vacina experimental morreram durante o ensaio e outras quatro que morreram tomaram placebo, segundo o relatório.

Quatro pessoas que receberam a vacina contra a covid-19 da Pfizer nos testes da empresa desenvolveram Paralisia de Bell, uma forma de paralisia facial temporária, de acordo com o relatório dos reguladores dos EUA sobre a injeção.

Segundo o Daily Mail, os reguladores da Food and Drug Administration (FDA) disseram que não havia nenhuma maneira clara de a vacina causar a paralisia de Bell, mas advertiram que os médicos deveriam estar atentos ao efeito colateral alarmante e que a Pfizer deveria continuar a monitorar quantas pessoas ela ataca.

Até agora, o FDA disse que o número de casos de Paralisia de Bell vistos no ensaio da vacina Pfizer foi “consistente com a frequência de histórico de Paralisia de Bell relatada no grupo da vacina, que é consistente com a taxa de histórico esperada na população em geral, e não há nenhuma base clara sobre a qual concluir uma relação causal neste momento, mas manterá uma vigilância apertada em casos futuros”.

De acordo com o Daily Mail, os quatro casos de paralisia de Bell foram o único efeito colateral que o FDA viu como “desequilibrado”, ocorrendo mais no grupo da vacina do que no grupo do placebo, e menos de 0,5% dos participantes do ensaio tiveram efeitos colaterais graves.

Entre as quatro pessoas que desenvolveram Paralisia de Bell, uma teve paralisia facial ou fraqueza três dias após terem recebido a vacina. Mas o rosto do participante voltou ao normal cerca de três dias depois. Uma segunda pessoa desenvolveu a doença nove dias após receber a vacina, e os rostos dos outros ficaram fracos 37 e 48 dias após a vacinação, respectivamente. Cada um dos três se recuperou da paralisia facial em 10 a 21 dias.

FONTE: Conexão Política

Postar um comentário

0 Comentários