Presidente chinês ordenou militares a “se prepararem para a guerra”, diz site

Xi Jinping: Aparentemente, Pequim quer deixar sua marca no ano do centenário da fundação do Partido Comunista Chinês (PCC) |FOTO: Reuters

As últimas declarações do ditador Xi Jinping estão causando alarme e preocupação. O regime de Pequim pode tentar anexar Taiwan ao seu território, já que o Partido Comunista Chinês considera aquele país ‘uma província em rebelião’. As informações são do portal Conexão Política. 

O chefe do regime comunista chinês, novamente ordenou que os militares de seu país “se preparassem para a guerra”. Seus comentários, poucos dias após o início de 2021, sugerem que a China poderá iniciar uma guerra este ano.

Aparentemente, Pequim quer deixar sua marca no ano do centenário da fundação do Partido Comunista Chinês (PCC). Talvez um conflito de guerra seja, em sua visão, a maneira de fazê-lo.

O ditador comunista instruiu o Exército de Libertação do Povo (PLA), as forças armadas chinesas, a ‘aprofundar a transformação do treinamento militar’. Ele deseja melhorar as capacidades de combate de suas tropas.

A ordem segue a escalada dos confrontos militares do PCC em várias áreas no ano passado. Isso incluiu conflitos com as forças indianas na fronteira sul da China e o constante assédio a Taiwan e ao Mar do Sul da China.

Além disso, o regime chinês embarcou em um plano agressivo de modernização militar. Pequim pretende superar os Estados Unidos como potência econômica e militar. Para isso, os gastos com a guerra aumentaram cerca de 10 vezes nos últimos 20 anos.

De acordo com alguns relatórios, os gastos militares do PCC representam 87% do orçamento de defesa dos Estados Unidos. O governo dos Estados Unidos bloqueou vistos para estudantes chineses de graduação vinculados a instituições que apoiam essa estratégia, na tentativa de se proteger contra a espionagem e transferência de tecnologia americana para Pequim.

O presidente dos EUA, Donald Trump, também proibiu os investimentos dos EUA em uma variedade de empresas chinesas que apoiam seus militares, que entrará em vigor no final deste mês, impedindo o capital dos EUA de financiar o desenvolvimento militar do PCC.

Já em outubro passado, declarações de Xi Jinping foram relatadas aos fuzileiros navais de seu país pedindo-lhes que concentrassem “todas as suas mentes e energias na preparação para a guerra”. Mais tarde, o mais alto órgão de tomada de decisão do PCC se reuniu e discutiu “como se preparar para a guerra, integrando o trabalho político em todos os elos [da cadeia de comando] da eficácia do combate”.

Li Linyi, um comentarista da China baseado nos Estados Unidos, disse na época que os comentários eram mais retóricos do que qualquer outra coisa. “O objetivo da propaganda de guerra de alto nível é colocar alguma pressão sobre Taiwan e os Estados Unidos. É isso. Ao mesmo tempo, [o PCC] deve satisfazer os sentimentos nacionalistas”, disse ele.

No ano passado, o regime comunista chinês aumentou drasticamente a pressão sobre Taiwan ao intensificar a atividade militar no estreito de Taiwan. O PCC considera a ilha autônoma como ‘parte de seu território’ e nunca descartou o uso da força para colocá-la sob controle do Partido.

Enquanto isso, os Estados Unidos aumentaram sua cooperação com Taiwan. No ano passado, ele aprovou várias vendas de armamentos para Taiwan e aprofundou os compromissos diplomáticos com a ilha.

FONTE: Conexão Política

Postar um comentário

0 Comentários